SELECIONE SUA REGIÃO E IDIOMA

UNITED STATES
English
LATIN AMERICA
Español
Português
AUSTRALIA &
NEW ZEALAND

English
JAPAN
Japanese
ASIA PACIFIC
English

FECHAR
O Olhar Lúdico da Aventura

O Olhar Lúdico da Aventura

Aventura

“O mundo e a sociedade impõem regras, e a brincadeira mostra que podemos confrontar isso de forma criativa. E quando falo de criatividade, não falo somente de uma prática artística, mas da capacidade de transformar o que está fora."
— Issa Watanabe, ilustradora Peruana
 
Brincar é uma forma de explorar o mundo.
 
As ações que empreendo, ao longo da minha vida adulta, sempre se revelam profundamente conectadas com o poder que enxergo em atividades lúdicas. Do montanhismo a minha agência socioambiental, acredito que a grande aventura da vida é aprender, absorver e transformar o mundo como uma criança. 
 
Não foi à toa que, no final da descida de um desnível de 700 metros, depois de 1h e meia em terreno escorregadio e arenoso — um verdadeiro teste para as articulações e de equilíbrio! — , avistei balanços e aproveitei para brincar um pouco. Já explico, mas, antes, vamos começar pelo início.
 
 
Saímos do hotel, no Centro Histórico, às 09h45. Quito é uma cidade populosa, com mais de 66 km de extensão e a viagem rumo ao teleférico, na base de Rucu Pichincha, apesar de curta, proporciona uma transição curiosa aos sentidos, onde, aos poucos, íamos nos afastando cada vez mais da civilização, das cores, dos sons e dos estímulos urbanos, como que entrando num sonho, mistura bonita de ar rarefeito e paz. Sonho esse que quero conquistar com tanta vontade. Vale lembrar que, em Quito, você começa seu dia a 2.850 metros.
 
Eram 09h55 quando chegamos ao famoso TeleferiQo, que nos levou ainda mais longe,  para 3.945 metros de altitude. "Quão alto pode se sonhar?", eu me perguntava enquanto me preparava para começar o hike de 11 km rumo ao cume. Partimos exatamente 10h30 da manhã. O dia estava nublado, com um pouco de chuva, porém ótimo para caminhar pois o dia estava fresco. De Junho a Agosto, tende a ser frio e ventoso, mas também mais seco do que no resto do ano. Já, de Dezembro a Fevereiro, é mais quente, mas também mais úmido e nublado.
 
 
O Rucu Pichincha é um estratovulcão, um vulcão cônico formado por muitas camadas (estratos) de lava endurecida. Os estratovulcões são às vezes chamados de "vulcões compostos" por causa de sua estrutura estratificada composta construída a partir de derramamentos sequenciais de materiais erupcionados, e a lava que flui deles normalmente esfria rápido, endurecendo antes de se espalhar muito, devido à alta viscosidade.
 
A trilha não é bem marcada, mas visitantes suficientes passaram por ela para pisar em uma trilha. Depois de cerca de uma hora, a trilha se torna mais uma subida rochosa e estreita. Quando você pensa que está chegando perto, olha para a esquerda e vê uma inclinação íngreme de areia vulcânica que leva ao cume irregular. Depois de passar pela areia, o cume fica a apenas 15 minutos de distância, mas talvez você precise encontrar apoios para as mãos e os pés enquanto escala até o cume. Foram 2h30 de caminhada até o cume, onde atingimos 4.698 metros de altitude. As vistas da cidade extensa e do vulcão vizinho, Cotopaxi, a praticamente 5.900 metros são de tirar o fôlego… literalmente. O topo de Rucu Pichincha me colocou acima das nuvens, dentro do próprio sonho que vim aqui realizar.
 
 
As descidas são desafiadoras também. No Rucu Pichincha tivemos trechos muito arenosos, rochosos e de barro. Concentração e foco no próximo passo foram importantes para manter a segurança. E, justamente, durante a descida, onde estava tão concentrada e focada, foi quando, depois da escalada, vi os balanços, encobertos pela névoa intensa. Eram balanços, claro, mas eram muito mais — eram, na verdade, o convite para a exploradora em mim descansar e brincar um pouco. Eu acredito, de verdade, que [email protected] nós, [email protected] por aventura, em algum nível e de algum jeito, temos isso em comum. O ímpeto pela descoberta. É bom conquistar e se superar? Claro. Mas é muito melhor e mais importante aprender e se transformar no caminho.
 
É a criança dentro de mim que explora. Com sua coragem e, principalmente, sua habilidade de se maravilhar com cada nova descoberta. 
 
A escalada do Rucu Pichincha é uma ótima caminhada de um dia, e um aquecimento recomendável que vale a pena se você planeja enfrentar picos de alta altitude, como o Chimborazo, desafio principal da minha expedição aqui no Equador.
 
Seguimos. 
 
#ProntaParaAventura