SELECIONE SUA REGIÃO E IDIOMA

UNITED STATES
English
LATIN AMERICA
Español
Português
AUSTRALIA &
NEW ZEALAND

English
JAPAN
Japanese
ASIA PACIFIC
English

FECHAR
Abrindo caminhos até o topo do K2

Abrindo caminhos até o topo do K2

Aventura

No último texto paramos na minha tentativa ao cume do K2. A escalada, no entanto, não parou por aí. Eram meados de julho de 2019, já estávamos há 40 dias no Paquistão, tivemos tempestades, avalanches, tentamos o cume do K2, não conseguimos e decidimos tentar novamente.
 
Para ter uma ideia de quanto o seu corpo se desgasta tentando escalar uma montanha como o K2: Eu perdi 8 quilos e o Max perdeu 11 quilos!
Uma pessoa normal que tenta subir uma montanha com mais de 8.000 metros de altitude, normalmente gasta de 8 a 12 mil quilocalorias, APENAS NO DIA DE CUME!
 
Isso equivale ao mesmo gasto calórico de 4 maratonas (média de 2000 Kcal cada uma), somente em um dia. Isso não é saudável! Aliás, se você ficou com uma esperança ao ler sobre a perda de peso, saiba que a maioria desse peso que você perde, são músculos.
 
Mas voltando à nossa tentativa ao cume do K2, nossa primeira tentativa teve que ser cancelada devido à uma avalanche que varreu duas das cordas fixas, o que impossibilitou a escalada.
 
Para escalar montanhas com mais de 8000 metros de altitude (há apenas 14 na Terra), muitas coisas precisam dar certo. Muitas pessoas nem imaginam o tanto de coisas que tem que encaixar nessa grande engrenagem de uma expedição. Primeiramente você precisa viabilizar a expedição financeiramente, o que não é fácil considerando que se trata de expedições de vários milhares de dólares. Eu não tenho todo esse dinheiro e o único jeito que consigo pagar essas expedições é com patrocínios, Isso requer muito, mas MUITO trabalho e persistência!
 
Depois, você precisa estar na melhor forma física da sua vida. Por fim, você precisa ter uma excelente resistência psicológica. Para tal, a minha principal recomendação é que você tenha ralado muito na vida! Saber lidar com a dor e desconforto bem são essenciais para alta montanha. E além disso tudo você precisa ter a melhor equipe.
 
Nessas grandes montanhas da Ásia, quanto mais pessoas trabalhando juntas há, maior é a chance de sucesso. É de vital importância que um time ajude o outro a tornar a rota da montanha o mais segura possível. Isso é feito trecho por trecho, fixando cordas em cada pedacinho da montanha. Dessa forma, temos uma linha segura por onde subir e descer, o que economiza energia no dia que vamos para o cume. E confie em mim; numa montanha onde você gasta 10 mil quilocalorias, cada caloria faz diferença.
 
Éramos 120 estrangeiros e 30 paquistaneses tentando a montanha, distribuídos num total de 8 equipes. As cordas fixas foram aos poucos sendo instaladas, e no dia 12 de junho, já tínhamos 90% da montanha com cordas. Esse 10% final normalmente é fixo no dia do cume mesmo. Só que desta vez, antes da tentativa sequer acontecer, uma avalanche a 8.300 metros de altitude levou 2 dessas cordas. Tentar continuar sem elas pode custar sua vida!
 
Todo mundo que tenta subir o K2 sabe de quem morreu tentando a montanha no passado e sabe o respeito que temos que ter. Deixa eu dar uma ideia do que se passa na cabeça de uma pessoa que está decidindo se vai ou não para o cume: Existe um memorial no acampamento base do K2, onde placas, equipamentos e lembrancinhas são erguidas para lembrar cada pessoa que faleceu no K2.
 
O mais bizarro deste memorial é que entre as plaquinhas e fotos, há de fato restos mortais de pessoas que morreram no K2 e alguém levou e deixou ali. Quando fomos visitar o memorial eu disse ao Max: "olha! Uma bota!" Segundos depois ele disse "Olha! Tem um pé dentro da bota!" Tratava-se de um pé humano com ossos e tendões secos pendurados para fora da bota que o gelo conservou.
 
Minutos depois encontramos a calota de um crânio de outro falecido... Sou médica, já vi dezenas de cadáveres e não tenho problemas com isso. Mas confesso que aquela vez foi diferente já que todas essas pessoas faleceram fazendo exatamente o que eu estava prestes a fazer.
 
Todas aquelas pessoas se prepararam e todas consideravam que tinham tudo o que precisavam para escalar o K2. Isso certamente fica martelando na sua cabeça na hora de decidir ir ao cume.
 
E lá estava eu no momento que tínhamos que decidir se continuamos ou não. Era meia noite e estávamos ainda no meio da escalada a quase 8000 metros de altitude. A luz da lua iluminava pequenos cristais de neve congelados e as pegadas ficavam bem brilhantes, meio que traçando o caminho de volta para casa. As estrelas estavam inexplicavelmente brilhantes, talvez por estarmos há apenas 2 quilômetros do fim da estratosfera.
 
Mesmo à noite podíamos ver pessoas reunidas em pequenos grupos, provavelmente passando pelo mesmo momento que eu. Eram pequenos grupos de lanternas, que pareciam pequenas constelações no meio da noite. Dava para ver o olhar fixo de cada um dentro dos goggles e da grande máscara de oxigênio cobrindo o resto dos judiados rostos.
 
Escutava vários se pronunciando "I'm leaving, I miss my family" e outros " I don't want to die". Também chegou a nossa vez de dizer o que íamos fazer. O Max estava com olhar fixo olhando para baixo, provavelmente considerando as opções.
 
"Eu falei na hora : vou tentar de novo! Esperei muitos anos pra estar aqui e não vou desistir agora"... foi o que lancei antes mesmo da conversa começar. Com os olhos arregalados e uma cara surpresa, Max disse "Olha... pode ser então..." mas ainda confuso em como faríamos isso.
 
Imediatamente uma esperança tomou conta e começamos voltar para o acampamento 4 para preparar a nossa subida. Ou seja, a descida e depois a subida novamente. Nessas horas tudo contamina as pessoas, seja a negatividade ou a positividade. Confesso que eu não tinha nem ideia de como iríamos tentar, mas na hora aquilo nos deu a força que precisávamos.
 
Sabendo que iríamos ter que descer todas aquelas paredes que demoramos semanas para subir, depois ter que subir tudo novamente e depois descer novamente; fomos caminhando e rapelando, pensando em tudo que estava acontecendo, mas em silêncio até o acampamento 4, a 7600 metros de altitude. Chegamos por volta da 1 da manhã, com 30 graus abaixo de zero.
 
A melhor solução quando algo está assim tão confuso é simplesmente dormir. Aproveitando o fato de que tínhamos acabado de escalar para 8000 metros de altitude e estávamos exaustos, dormimos muito bem.
 
No dia seguinte enquanto preparávamos a carga para descer, podíamos ver o cume do K2 que estava há apenas 1000 metros de desnível dali. O dia estava perfeito e com pouquíssimo vento, dia perfeito para subir para o cume. No entanto sabíamos que era suicídio e estávamos conformados com a nossa nova estratégia. Uma avalanche foi a causa de toda essa mudança e 2 grandes trechos de corda foram arrancados da montanha no lugar mais perigoso do K2, chamado de "Bottleneck".
 
Foi uma situação exatamente igual à essa que matou 11 pessoas no mesmo dia na grande tragédia de 2008. Nessa ocasião de 2008 no entanto, a avalanche ocorreu quando várias pessoas estavam acima das cordas e na volta, exaustos, não conseguiram passar por esse trecho sem cordas. 11 pessoas faleceram ou tentando descer sem cordas ou faleceram esperando ajuda.
 
Todos nós sabíamos como foi em 2008 e apesar de bater um arrependimento de não ter subido, tenho certeza que ninguém queria estar na mesma situação como a de 2008. Iniciamos a descida por volta das 10 da manhã. É inacreditável o quanto você fica lento nessa altitude e o quanto demora para completar tarefas simples, como montar uma mochila ou desarmar sua barraca.
 
Uma grande jornada nos esperava para descer em 1 dia o que demoramos 4 para subir. É até meio engraçado como enfrentamos essas situações onde se sabe que você vai ficar exausto, vai ser difícil e vai se machucar. O segredo que tenho para enfrentar estas, é baixar a cabeça e concentrar em dar um passo de cada vez. Uma vez que você iniciou o processo e começou a se mover, já não tem mais volta e fica mais fácil lidar com as adversidades iminentes.
 
Ainda meio cansada e concentrando para passar rápido pelo frio da manhã, ao descer eu levei uma queda a 7300 metros de altitude. Uma distração enquanto a corda estava frouxa fez que eu me projetasse penhasco a baixo. A corda fixa finalmente esticou, cumpriu seu papel e eu estava salva. E não foi dessa vez que precisei acionar o botão S.O.S. do meu SPOT, sempre ali no meu ombro.
 
Após uma parada na Pedra do Bolovo, decidimos descer direto para o acampamento base. Fomos do acampamento 4 ao acampamento base numa tacada só. Meus joelhos doem só de lembrar desse dia! Aproveitando-nos do fato que descíamos menos pesados, conseguimos ir rápido. A ideia era descer logo para ter mais tempo de descanso na base... #sóquenão
 
Era fim de tarde do dia 17 de junho. Estávamos exaustos após ter tentado o cume do K2 e ter descido direto para o acampamento base. Esperávamos descansar pelo menos 5 noites após tanto esforço. Tanto o meu rosto quanto o do Max estava queimado de tanto frio, vento e sol. A luz UV lá em cima chega a ser 15 vezes maior do que a normalmente nos expomos.
 
Ao chegar uma das coisas que mais nos impressionou, foi a quantidade de gente que estava desistindo. Dos 120 estrangeiros que estávamos tentando o K2 sobraram 20 apenas.
 
Ao passar a primeira noite, descobrimos algo que poderia mudar a nossa decisão de tentar novamente: a previsão mudou e só tinhamos 2 dias para descansar! Como se não bastasse ter que subir a montanha mais mortal da Terra 2 vezes, só conseguimos descansar por 2 dias. Continua no próximo texto...
 
Post Anterior:
< A vida e a Montanha